21 de fev de 2017

Valores eternos

09/100

“Não está morto quem pelea!”

Característica do ‘gauchês’, a inclusão de termos castelhanos denuncia a origem ou pelo menos a região de uso mais intenso desse dito popular. Quem ainda está pelejando, ou lutando, não está morto ainda. A denúncia do óbvio indica que o esforço e a insistência em fazer alguma coisa evitam a derrota, ou criam chances mesmo em uma situação muito difícil. É mais frequentemente usado por quem quer afirmar sua decisão de perseverar e por quem está procurando motivar outros à perseverança. O risco que esse ditado esconde é perseverar no erro, insistir naquilo que não é bom, não se deixar insistir e não corrigir o próprio caminho.

A Palavra de Deus
“somos perseguidos, mas não abandonados; abatidos, mas não destruídos.” 2Coríntios 4:9

[V] O apóstolo Paulo estava descrevendo aos crentes de Corinto o modo como pregava o Evangelho em meio a muitas dificuldades. Depois de descrever o poder da mensagem e a fidelidade com que pregava, ele diz que ser como frágil e pouco valioso como um vaso de barro evidenciava que o poder da mensagem procedia de Deus. Então ele descreve sua fraqueza como a de um animal perseguido por caçadores, mas nunca abandonado por Deus. Podia até ser abatido, isto é, derrubado pelos caçadores, mas não seria por isso destruído.

[O] A intenção que Paulo revela claramente no texto é que os crentes nunca tomassem os sofrimentos dos apóstolos como um sinal de fraqueza deles ou de falta de valor do Evangelho. Além do propósito de evidenciar o poder de Deus, aqueles sofrimentos leves, na verdade, e passageiros, estavam trazendo um resultado muito maior do que se poderia pensar.


[S] Paulo se via numa situação de ‘não está morto quem pelea’, mas não é à própria perseverança que ele credita isso. Primeiro ele dependia de Deus que o mantinha a salvo dos problemas, depois ele estava alcançando um resultado muito mais valioso do que se não estivesse sofrendo e, finalmente, não era para coisas materiais e finitas que olhava, mas para as espirituais e duradoura. Se você quer persistir nas lutas dessa vida, não confie em sua própria capacidade de resistir. Coloque a sua confiança em Deus, pois mesmo que você caia ele lhe colocará em pé. Também, olhe para o que você está ganhando quando insiste em fazer a vontade de Deus, é muitíssimo melhor do que estaria perdendo. Finalmente, avalie as coisas por sua durabilidade. Os valores espirituais são eternos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

É bem vindo seu comentário que honre e exalte a santidade do Senhor.