4 de dez de 2014

Impressionantes maravilhas

Série OQDQ?

“Então o rei Davi entrou no tabernáculo, assentou-se diante do Senhor, e orou: "Quem sou eu, ó Senhor Deus, e o que é a minha família, para que me trouxesses a este ponto? E, como se isso não bastasse para ti, ó Deus, tu falaste sobre o futuro da família deste teu servo. Tens me tratado como um homem de grande importância, ó Senhor Deus".
"O que mais Davi poderá dizer-te por honrares o teu servo? Tu conheces o teu servo, ó Senhor. Por amor do teu servo e de acordo com tua vontade, realizaste este feito grandioso e tornaste conhecidas todas essas grandes promessas.
"Não há ninguém como tu, ó Senhor, nem há outro Deus além de ti, conforme tudo o que sabemos. E quem é como o teu povo Israel, a única nação da terra que tu, ó Deus, resgataste para ti mesmo, e assim tornaste o teu nome famoso, realizaste grandes e impressionantes maravilhas ao expulsar nações de diante do povo que libertaste do Egito? Tu fizeste do teu povo Israel o teu povo particular para sempre, e tu, ó Senhor, te tornaste o seu Deus.
"Agora, Senhor, que a promessa que fizeste a respeito de teu servo e de sua descendência se confirme para sempre. Faze conforme prometeste...” 1 Crônicas 17:15-23

Talvez você já tenha passado pela difícil situação de escolher um presente para uma pessoa importante mas que conhecia pouco e, então, ter errado completamente em sua escolha. A pessoa abre o pacote e, por mais que tente disfarçar, o ambiente fica tenso, a frustração fica patente. Seu coração se aperta e você começa a imaginar onde foi que errou, afinal você tinha a melhor das intenções. Dizem por ai que ‘de boas intenções o inferno está cheio’, ou seja, nem sempre nossas boas intenções resultam em boas ações. Em nossa fé, os planos que fazemos de acordo com nossas boas intenções podem desagradar a Deus. Precisamos ouvi-lo mais, conhece-lo melhor, para oferecer a Ele algo que seja conforme a perfeita vontade dEle. Esse texto, esse fato ocorrido com o Rei Davi, vai nos ajudar a compreender melhor como oferecer a Deus algo que Lhe agrade.


Tu conheces o teu servo
(1014 aC) Natã era conselheiro espiritual do Rei Davi e continuou atuando quando Salomão se tornou rei. Ele era um homem temente a Deus, destemido e audacioso, tanto que não temia apontar os erros dos reis e exigir seu conserto. O capítulo 17 começa com Davi consultando Natã sobre a possibilidade de construir um grande e rico templo para Deus. "Faze o que tiveres em mente, pois Deus está contigo". 1 Cr 17:2, foi o que o profeta respondeu ao rei. Mas, naquela noite, Deus disse o contrário.

"Vá dizer ao meu servo Davi que assim diz o Senhor: Não será você quem vai construir uma casa para eu morar.” 1 Cr 17:4. A Palavra que Deus dá, então, é maravilhosa e merece um estudo detalhado em outro momento. Aqui, interessa saber que fica claro o motivo de Deus ter outro plano, diferente do de Davi, que Natã achou que era bom: “Saiba também que eu, o Senhor, lhe estabelecerei uma dinastia.” 1 Cr 17:10. Veja que interessante! A expressão traduzida aqui por ‘estabelecerei uma dinastia’, usa as mesmas palavras que a expressão ‘construir uma casa’. Deus estava dizendo: Não é Davi quem vai construir uma casa para Mim; sou Eu quem vai construir uma casa para ele! 

Natã levou a Palavra de Deus a Davi, então o rei foi orar. A primeira parte da oração de Davi, a que vamos examinar, é de adoração, confissão e gratidão. A segunda parte da oração é de súplica e dedicação. Vamos olhar apenas a primeira frase dessa segunda parte neste estudo.

Há dois pontos de partida na primeira parte da oração. Primeiro Davi considera o que está acontecendo consigo mesmo e com sua família, depois ele considera quem é Deus e qual o seu caráter.

Davi começa a refletir sobre si mesmo e sobre sua família dizendo: "Quem sou eu, ó Senhor Deus, e o que é a minha família”; a razão de sua admiração é tudo o que Deus fez até aquele momento, “para que me trouxesses a este ponto?”, e tudo o que Deus ainda prometeu fazer dali em diante, “E, como se isso não bastasse para ti, ó Deus, tu falaste sobre o futuro da família deste teu servo”. O modo como Deus o tratou modificou a percepção que Davi tinha de si mesmo. O rei começou sentindo-se importante por causa do palácio que construiu para si e propondo-se a construir uma casa para Deus, Deus rejeitou seu plano e apresentou um plano muito melhor, diante do qual Davi percebeu que, se ele tinha alguma importância, ela era dada por Deus: “Tens me tratado como um homem de grande importância, ó Senhor Deus". Tudo isso levou Davi à adoração, como ouvimos: "O que mais Davi poderá dizer-te por honrares o teu servo?”, uma adoração baseada nos atos de Deus, na percepção de Seu caráter, no relacionamento pessoal com Ele.

Davi está olhando para o Senhor. Quem é esse Deus? Qual o seu caráter? Deus conhece Davi, Ele é o Senhor e Davi é o servo, “Tu conheces o teu servo, ó Senhor”. Deus ama Davi “Por amor do teu servo”, e faz tudo como quer, “de acordo com tua vontade”, como resultado de Seu amor e de poder fazer tudo conforme quer é que Deus age: “realizaste este feito grandioso e tornaste conhecidas todas essas grandes promessas”.

Davi continua admirando e adorando Deus, agora considerando o que ele fez anteriormente. Davi é um homem culto, cercado de gente sábia e levando em conta todo o conhecimento acumulado diz: "Não há ninguém como tu, ó Senhor, nem há outro Deus além de ti, conforme tudo o que sabemos”. A impressionante história de libertação e construção da nação não traz orgulho para o povo mas glória para Deus que realizou todas essas coisas: “E quem é como o teu povo Israel, a única nação da terra que tu, ó Deus, resgataste para ti mesmo, e assim tornaste o teu nome famoso, realizaste grandes e impressionantes maravilhas ao expulsar nações de diante do povo que libertaste do Egito?”. Mas, é o relacionamento pessoal que Deus decidiu oferecer ao seu povo que o destaca ainda mais: “Tu fizeste do teu povo Israel o teu povo particular para sempre, e tu, ó Senhor, te tornaste o seu Deus”. Note esta última frase, ela trata da aliança que Deus fizera com Abraão, de ser o Deus dele e de seus descendentes, quando exigiu apenas íntegra fidelidade por parte deles. Davi está consciente de que sua vida, seu reino e sua descendência depois dele são resultado da aliança que Deus fez com Abraão.

Então Davi começa a segunda parte da oração suplicando: “Agora, Senhor, que a promessa que fizeste a respeito de teu servo e de sua descendência se confirme para sempre”. Isso deve nos ensinar muito sobre oração e sobre a Vontade de Deus. Já é maravilhoso que, ao ouvir a manifestação da Vontade de Deus, totalmente diferente da sua própria, Davi tenha corrido para o tabernáculo a fim de adorar. Mas agora ele também suplica que Deus faça aquilo que Ele já decidiu fazer. Fica muito claro, como em outras partes das Escrituras, que a oração de Davi não é um recurso para manipular Deus e convencê-lo a agir como o crente quer, mas um ato de total submissão e entrega ao que Deus decidiu fazer. Por isso ele segue orando assim: “Faze conforme prometeste...”, e não podemos evitar comparar essa oração com o que Natã disse antes de ouvir Deus: "Faze o que tiveres em mente...” 1 Cr 17:2.


Por amor do teu servo
O conhecimento da Vontade de Deus mudou completamente a postura de Davi. Ele estava concentrado em coisas materiais, como o lindo palácio que havia construído para si, agora o Senhor o levou a considerar as coisas espirituais como a aliança de relacionamento pessoal dom Deus. Davi estava concentrado no presente e no que gostaria de fazer imediatamente, mas Deus o levou a olhar para o futuro, para o Reino Eterno que estava estabelecendo a partir de Davi. Ele estava baseado em seus desejos, naquilo que estava em seu próprio coração, mas Deus o levou a basear seus atos na Palavra de Deus, em Sua vontade manifesta. Davi estava concentrado em si mesmo, sua proposta era egocêntrica, referia-se a quem ele era e o que havia feito, mas Deus o chamou para concentrar-se em Deus e no Reino Eterno que ele estava criando.

Davi começou com uma religiosidade muito semelhante à dos crentes que estão construindo ‘grandes obras’ para Deus: materialista, temporal, voluntarioso e egocêntrico. Ao ouvir a Palavra de Deus, porém, e ao conhecer a vontade divina, Davi mudou e passou a manifestar uma fé verdadeiramente espiritual, de dimensões eternas, baseada na Palavra de Deus e focada em quem Deus é: não era mais o reino de Davi, mas o Reino de Deus que importava.

Em tudo isso somos lembrados do Filho, Jesus, resplendor da glória de Deus Pai e expressão exata de seu ser. A Carta aos Hebreus cita a profecia de Natã que mudou a postura de Davi ao se referir a Jesus: “... "Eu serei seu Pai, e ele será meu Filho" Hb 1:5. Embora a compreensão imediata de Davi se referisse a um filho seu, Deus estava tratando do Reino Eterno que estabeleceu em Jesus, para governar através dEle as vidas de todos os homens.


De acordo com a Tua vontade
Nossas ideias humanas sobre fé podem estar muito distantes da Vontade de Deus: "Faze o que tiveres em mente, pois Deus está contigo" 1 Crônicas 17:2. Lembrando das Palavras de Natã, antes de ouvir o Senhor, e todas as coisas que aconteceram depois, que esse texto nos lembre que nossa fé não é sobre a casa que construímos para Deus mas a que Ele construiu para nós; que nossa fé não é sobre fazermos o que tivermos em mente, mas sobre Deus fazer o que Ele quer, cumprir a vontade dEle; que a nossa fé não é sobre Deus estar conosco (ele sempre está), mas sobre nós estarmos com Ele. Levando essas coisas em conta, ofereçamos a Deus um culto pleno.

Adoração: a) adore a Deus como o Senhor da história, Ele tem controlado tudo o que acontece com as nações; b) adore ao Senhor por se importar com cada pessoa, por se importar com você e sua família, mesmo em um cenário tão grandioso; exalte ao Senhor por sua fidelidade em cumprir todas as Suas promessas.

Confissão: a) confesse ao Senhor a soberba de pensar muitas vezes que por seu próprio mérito e força conquistou alguma coisa; b) arrependa-se de alguma vez ter achado que poderia oferecer alguma coisa a Deus que ele não tenha orientado a fazer; c) lembre-se e peça perdão por situações em que tenha tentado agir pela lógica ou pelo impulso ao invés de buscar a Palavra de Deus, para agir conforme a Vontade dEle.

Gratidão: a) agradeça a Deus por seu amor desprendido; b) agradeça a Deus por cuidar de tudo e de todos de acordo com sua perfeita vontade; c) reconheça que tudo o que aconteceu até agora, em sua vida e na vida de sua família, é resultado do amor de Deus e de Seu incomparável poder para fazer tudo como Ele mesmo quer.

Súplica: a) peça ao Senhor, de todo o seu coração, para sempre lhe dar entendimento sobre a Palavra dEle; b) suplique de todo coração para que Deus faça tudo como ele quer, para que se cumpra a vontade dEle; c) peça ao Senhor que ajude a você mesmo, à sua família e igreja, a viverem de acordo com a Vontade de Deus, em completa fidelidade no relacionamento com Ele.

Dedicação: a) examine sua vida para ver se há alguma frustração ou tristeza em que a Vontade de Deus seja diferente da sua, então dedique-se alegremente a fazer o que Deus quer; b) para fazer o que Deus quer, dedique-se a ouvir e considerar a Palavra dEle; c) consagre-se para uma vida de oração sobre a Palavra de Deus, invista seu tempo em orar sobre o que Deus diz a você, não sobre o que você tem a dizer a Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

É bem vindo seu comentário que honre e exalte a santidade do Senhor.